fbpx

A migração para estratégias de vídeo marketing não é de hoje. Essas mudanças vêm sendo graduais, mas depois das alterações no algoritmo do Instagram, priorizando os vídeos de Reels, saber produzir conteúdo audiovisual será fundamental para as empresas e marcas que querem se manter atualizadas com o mercado. 

De 2018 para 2019, vídeo marketing deixou de ser um exagero de empresas “indo além” e se tornou uma estratégia de negócio fundamental. Mas não adianta apenas produzir sem planejar, e neste artigo, veremos os principais métodos de planejamento e desenvolvimento de vídeo marketing com objetivos mensuráveis. 

Dados sobre consumo de vídeos de marcas

De acordo com o HubSpot Research, mais de 50% dos consumidores querem ver vídeos das marcas, isso é mais do que qualquer outro formato. 

Vídeos em landing pages podem aumentar taxas de conversão em mais de 80% de acordo com a Unbounce, e basta mencionar a palavra vídeo num assunto de e-mail para aumentar as taxas de abertura em 19%. Além disso, 90% dos consumidores afirmam que vídeos ajudam a tomar decisões de compra.

E de acordo com Gary Stevens, da HostingCanada.org, estratégias de remarketing para visitantes no site usando as redes sociais aumentaram em 47% o valor do visitante in-site. 

Ainda sobre o consumo de vídeos pela internet, a HubSpot encontrou que 78% das pessoas assistem vídeos toda semana, enquanto 54% das pessoas assistem diariamente. 

E o Google fez uma pesquisa que mostrou que 6 em cada 10 pessoas preferem vídeos online à TV, sendo que só no YouTube são estimadas mais de 1 bilhão de horas de vídeo assistidas por dia na plataforma. 

Considerando que as plataformas e redes sociais dependem da atenção dos usuários, fica clara a migração cada vez mais intensa para formatos de vídeo. 

O impacto do Tik Tok pode ser visto em todos os lugares, com uma rede voltada exclusivamente para vídeos assumindo o favoritismo entre usuários (da mesma forma que o Instagram fez com as fotos anos atrás).

E esse material em vídeo também inclui as campanhas de marketing. 

Ainda na pesquisa da HubSpot, encontraram que 72% dos consumidores preferem saber mais sobre um produto ou serviço através de um vídeo, e que 50% dos usuários da internet procuram vídeos relacionados ao produto ou serviço antes de visitarem uma loja e tomarem uma decisão de compra.

As pessoas querem se informar e saber mais sobre determinada solução. Considerando que a base do Inbound Marketing é o relacionamento e a entrega de valor aos potenciais clientes, faz sentido agregar o vídeo marketing às campanhas. 

E os impactos ecoam em diversas áreas do Inbound. A Insivia, por exemplo, afirma que um site com vídeo tem 53x mais chances de chegar à página inicial do Google se tiver vídeos. 

Mas antes de assumir uma postura defensiva e recusar a ideia, é importante saber que, de acordo com a Cisco, por volta de 2022, 82% do conteúdo consumido na internet será vídeo, valor 15 vezes maior que em 2017. 

Estratégias de vídeo marketing por estágio do funil de vendas

É possível dividir as estratégias de vídeo marketing em 3 etapas de acordo com o funil de vendas

Topo de funil: Descoberta

Muitas empresas ou negócios estão começando no marketing digital e precisam atrair potenciais consumidores para suas plataformas e bases de leads. Por isso, algumas estratégias de vídeo marketing focam na descoberta. 

Vídeos nessa etapa são eficientes para negócios com alto valor por venda ou contrato, aumentam a audiência média e servem para falar não só do produto ou serviço, mas também da marca, valores e missão. 

As principais métricas são: visualizações totais, visualizações de 3 segundos ou mais, e a duração média da visualização.

Meio de funil: Consideração

A etapa de consideração aprofunda o relacionamento com potenciais clientes e cria interesse. É especialmente importante em segmentos de mercado muito competitivos e quer criar um diferencial que não seja apenas baseado em descontos e valores financeiros.

Conteúdo de consideração normalmente gira em torno dos diferenciais da marca. Trata do “por quê?” da compra e mostra a experiência da marca no setor. 

As métricas mais importantes são CTRs e taxa de visualização em minutos. O CTR é importante para saber quantas pessoas estão engajadas o suficiente para sair do vídeo e ir ao site ou outro conteúdo, enquanto a taxa de visualização em minutos mostra o interesse médio no tema do vídeo exibido e mensura o engajamento com a mensagem.

Fundo de funil: Conversão

Para quem precisa vender um produto ou serviço de imediato, as campanhas de conversão são o ideal. Na TV, é o método mais comum de vídeo marketing. 

Considerando o funil de vendas, é aqui que todo o desenvolvimento do relacionamento com o lead através do Inbound se paga.

Agora, caso esteja anunciando para um consumidor pela primeira vez, é importante destacar os valores ou diferenciais do produto ou serviço na resolução do problema do cliente. 

As métricas importantes são vendas e CTR. A venda, obviamente, pelo retorno financeiro em cima do investimento, e o CTR porque com taxas de cliques altas, mas conversões baixas, pode haver uma diferença na comunicação do produto ou serviço em vídeo e a coisa real na hora de adquirir.

Tipos de Vídeo Marketing

Existem alguns formatos de vídeos disponíveis para aplicar em suas campanhas de marketing. Confira:

  1. Vídeos de demonstração: Servem para exibição do produto ou serviço, como em testes de software, aplicação in-loco ou testes em ambientes controlados.
  2. Vídeos de branding: Normalmente, fazem parte de campanhas maiores, mostrando a visão, missão e valores da empresa ao lado dos produtos e serviços. Funcionam nas campanhas de descoberta para atrair novos clientes. Um exemplo de vídeo de branding é o vídeo manifesto. Confira um exemplo aqui.
  3. Vídeos de eventos: Compartilham informações de conferências, discussões, arrecadação de fundos, encontros de mercado, aniversário da instituição ou outro mais. Destacam o que for exibido no evento em questão.
  4. Entrevistas com especialistas: O argumento de autoridade é fundamental no marketing. Encontre especialistas que reconhecem o valor do seu produto ou serviço e vincule a credibilidade deles à sua marca. Vá além dos elogios e peça que esses especialistas ofereçam informações concretas e valiosas, aproveite o conhecimento para gerar relevância.
  5. Educacionais ou Tutoriais: Existe alguma área de conhecimento no seu negócio que pode ser melhor exemplificada? Crie um tutorial para atrair novos interessados no seu produto ao falar de alguma prática complementar. Quer aumentar a fidelização de usuários? Desenvolva um curso educacional do seu produto ou serviço. Essa estratégia é especialmente eficiente para SaaS.
  6. Vídeos Explicativos: Esses vídeos mostram a necessidade do produto ou serviço para os consumidores. Muitos deles focam em uma jornada ficcional com base na jornada do herói para ajudar a criar um vínculo com o potencial cliente. 
  7. Vídeos Animados: Você não precisa depender apenas de atores, pessoas e cenas em ambientes reais. A animação é especialmente útil para ajudar a visualizar conceitos abstratos e expande os limites da narrativa. 
  8. Cases de Sucesso e Testimoniais: Uma das melhores maneiras de se gerar credibilidade é mostrar resultados reais. Cases de sucesso e testimoniais funcionam de maneira similar nesse caso, usando gatilhos diferentes para o mesmo fim: confirmar o valor da empresa para o cliente. Veja este exemplo da E-Dialog.
  9. Vídeos Ao Vivo: Lives e vídeos ao vivo aumentam o número médio de visualizações e geram engajamento até 8,1x maior. Esses vídeos podem ser feitos em diferentes plataformas e, por conta disso, possuem formatos e modelos distintos – de entrevistas a webinars. 

Com tantas opções de vídeo marketing, fica mais fácil escolher uma que se adeque ao seu negócio na atualidade.

Estratégias de vídeo marketing para diferentes plataformas

Além de entender quais são os estágios do funil, a comunicação para cada um deles e os modelos de vídeos disponíveis, é importante saber como aplicar cada ponto nas diferentes redes sociais.

O comportamento dos usuários será diferente no Twitter, no Facebook, no Instagram, no Linkedin e no YouTube. 

Veja abaixo as melhores práticas para cada rede. 

Twitter

O Twitter é uma rede social com posts que duram pouco tempo no feed quando comparado às outras redes. 

Contudo, o potencial de viralização é imenso, e o contato direto entre marca e seguidores faz do espaço uma oportunidade tremenda de fidelização e fortalecimento de relacionamento.

É importante lembrar que, para o Twitter, os vídeos devem ser curtos e dinâmicos (engraçados, divertidos, emocionantes ou curiosos). 

Vídeos menores costumam performar melhor na rede que preza por interações espontâneas, por isso, caso tenha vídeos maiores, parta-os em pequenas versões e compartilhe aos poucos. 

Facebook e Instagram

A maioria dos usuários consome vídeos em suas redes sociais durante os dias. Nem todos consomem os áudios nos vídeos, contudo. 

Por isso, é fundamental que todas as estratégias de vídeo marketing levem em consideração a falta de som para entregar a mensagem com clareza. Isso, claro, sem falar na questão essencial de integrar deficientes auditivos. 

Vídeos em autoplay silencioso aumentam as visualizações em mobile e engajam mais os usuários.

Por conta desse formato, podem ser receitas rápidas, passo a passo ou informações em texto na tela. 

Se a campanha possui um voice-over (narração), melhor ainda, já que a mensagem estará completa em todos os canais, mas se você puder levar apenas um ensinamento deste artigo, lembre-se que nem todos irão parar para ouvir o áudio no vídeo, então não dependa dele.

Outro fator importante quando falamos de vídeo marketing para Facebook é que a rede social favorece vídeos mais longos (mais de três minutos) que foram subidos diretamente na plataforma. 

Além disso, para criar anúncios, é possível depois utilizar a maneira como os usuários engajaram com o vídeo em questão para segmentar novas campanhas.

Por fim, lembre-se de 3 dicas básicas para criar um vídeo para Facebook e Instagram:

  1. Comece o vídeo com movimento para agarrar a atenção do usuário enquanto passam pelo feed.
  2. Vídeos com pessoas falando funcionam em landing pages e sites, mas para o Facebook e Instagram o ideal é focar em imagens bonitas e estimulantes.
  3. Incorpore texto e legendas para quem vê o vídeo sem áudio.
  4. No Instagram, o Reels hoje é mais valioso que o IGTV.

YouTube

Em números totais, o YouTube é a segunda maior rede social do mundo e a segunda maior plataforma de busca. 

Isso significa algumas coisas.

Em primeiro lugar, criar conteúdo para o YouTube é fundamental. Em segundo lugar, a paridade com o Google (já que a plataforma faz parte do conglomerado do gigante das buscas) faz com que criar vídeos para o YouTube seja muito mais estratégico. 

Existem dois objetivos básicos ao acessar o YouTube: educação e entretenimento. As marcas que querem crescer devem investir principalmente em educação, com otimizações para o algoritmo similares ao SEO para blogs (uso de palavras-chave, links internos etc.)

Além disso, como qualquer artigo no site, no YouTube o que vence a longo prazo é o conteúdo de qualidade, então invista em vídeos que, quando encontrados, realmente entreguem valor.

LinkedIn

Por muito tempo, o LinkedIn era uma das redes sociais menos amigáveis para conteúdos em vídeo, mas as mudanças no comportamento dos usuários graças às outras ferramentas chegou até a rede de contatos de negócios. 

Agora é possível subir vídeos e usar das segmentações específicas do local para aumentar conversões, oportunidades e vendas. 

Dicas para criação de estratégias de vídeo marketing

Abaixo, separamos seis dicas de criação de estratégias e campanhas de vídeo marketing. Confira:

1. Foque em histórias, não vendas

Histórias conectam. E isso é fundamental para anunciar na internet, já que o princípio básico de um anúncio é justamente interromper o entretenimento para exibir outra informação. 

Vídeo marketing não vai estar apenas ligado às campanhas pagas, mas uma boa parte será ao menos impulsionado para alcançar maior público.

Por isso, é importante que o conteúdo exibido seja relevante para quem assiste. E esse conteúdo não precisa tratar do produto ou serviço para conectar com os usuários das redes.

Quem quer ser assistido precisa focar em ser atrativo, e as histórias são as melhores formas de fazer isso. Do mesmo modo que um bom texto exige uma boa narrativa, os vídeos seguem o mesmo princípio.

2. Use os primeiros segundos com sabedoria

A média de atenção dos usuários na internet é de, na média, apenas 8,5 segundos hoje em dia. Isso significa que o tempo para convencer alguém de algo está cada vez mais curto e disputado. Assim, é fundamental que o vídeo comece de maneira impactante. 

Os primeiros segundos são fundamentais para reter os usuários. Então insira as informações mais valiosas de maneira coesa ali e gere interesse e curiosidade. 

Para isso, você pode:

  • criar um gancho, um resumo do que será apresentado no vídeo antes da vinheta (funciona tanto no Facebook quanto no Youtube);
  • usar uma thumbnail (a imagem de destaque do vídeo na sua galeria) que desperte a curiosidade dos usuários da rede;
  • escolher um título chamativo e eficiente para seu vídeo (sem promessas exageradas e frases falsas).

É possível ver um exemplo de gancho nos vídeos da E-Dialog no YouTube

3. Foque em audiências relevantes no Facebook

O Facebook é uma das melhores plataformas para distribuir conteúdo segmentado. E isso porque, com as ferramentas de anúncio e publicação, a criação de perfis de público distintos garante uma personalização acima de qualquer outra. 

Não só o Facebook Ads permite personalização, mas as publicações da página podem ser segmentadas de acordo com as necessidades. 

Assim, se uma empresa de produtos para bebês tem duas personas: mães de primeira viagem e pais de primeira viagem, pode publicar vídeos voltados apenas para as mães e apenas para os pais no feed de maneira mais assertiva.

E para empresas que trabalham com diferentes países e idiomas, é possível segmentar por linguagem e localização. 

4. Inclua CTAs

Todo conteúdo no Inbound Marketing precisa atingir um fim, seja esse fim uma conversão, um contato ou um avanço no funil de vendas. Mas no caso das estratégias em video marketing, os CTAs também pode ser:

  • inscrição no canal;
  • seguir ou curtir a página;
  • compartilhar o vídeo com amigos;
  • comentar no vídeo sobre o tema;
  • conferir outros vídeos.

Onde incluir CTAs em vídeos?

Existem três posições comuns para CTAs em video marketing e todas são válidas:

  • CTAs prévios: surgem no início do vídeo, de modo que qualquer pessoa vê e tem oportunidade de realizar a ação (bom para ações mais genéricas, como curtir e seguir);
  • CTAs médios: ficam entre os primeiros segundos e os momentos finais do vídeo, podem ser usados mais de uma vez. Focam nos usuários mais engajados e reforçam a mensagem principal;
  • CTAs finais: focam nos usuários realmente engajados e garantem que estejam muito conectados com a mensagem para realizar um comando mais específico, como ir para uma página, comprar produto ou assinar serviço.

A Wistia analisou 481514 CTAs em 324015 vídeos e descobriu que 95,9% eram CTAs finais, sendo apenas 4% CTAs médios e 0,1% CTAs prévios. 

Contudo, curiosamente, os CTAs médios possuem maior taxa de conversão, com 16,95% em comparação com CTAs finais, com 10,98%.

5. Otimize para busca

Todo vídeo é conteúdo e, dependendo da plataforma onde está hospedado, também precisa de otimização. 

Por dia, são mais de 3,5 bilhões de buscas no Google e em plataformas do Google. Enquanto o YouTube fica com uma média de 3 bilhões de buscas por mês. Não muito atrás, o Facebook agora tem visto mais de 2 bilhões de buscas por dia.

Ou seja, não otimizar vídeo para buscas é perder a oportunidade de ser encontrado a qualquer momento. Por isso, foque nas dicas:

  • Use palavras-chave nos títulos (para Google e YouTube);
  • Adicione uma descrição valiosa ao seu vídeo com a palavra-chave e palavras similares. 

Conclusão – Vídeo Marketing já é realidade?

Não aplicar estratégias em vídeo a partir de 2021, com o Instagram mudando seu algoritmo para priorizar conteúdo nesse formato, é um tiro no pé. 

Empresas e marcas buscando maiores públicos e melhores resultados precisam se atualizar com os tempos e acompanhar as alterações. Por isso, saber como aplicar as estratégias de vídeo marketing é fundamental.

Saiba mais sobre marketing digital em nosso curso Vire o Jogo.