fbpx

Fazer uma transmissão ao vivo deixou de ser um recurso exclusivo de canais de televisão que contavam com uma super produção e infraestrutura. Do seu próprio escritório, da sua sala, ou do seu quarto você pode fazer uma live em diversas plataformas. E deve! Já que esse tipo de produção de conteúdo gera muito engajamento e pode incrementar a sua estratégia de marketing digital, sobretudo em tempos de Coronavírus. Mas, são várias redes sociais e plataformas que oferecem esse recurso e pode ser difícil escolher a melhor para você. Por isso, neste artigo explicamos quais são as funcionalidades disponíveis em cada uma para fazer sua live. Confira!

Plataformas de transmissão ao vivo

YouTube

Transmissão ao vivo: Youtube

Com certeza o YouTube é a plataforma com mais possibilidades para fazer a sua transmissão ao vivo. Os pontos positivos de usar o site são variados. Mas, o negativo é o que tem um peso maior, sobretudo levando-se em consideração o objetivo de uma live, que é ter aproximação e gerar interação com os usuários. Isso porque o YouTube não dá nenhum tipo de destaque para os conteúdos ao vivo, é preciso que você mesmo faça toda a divulgação. Enquanto isso, nas redes sociais as lives são priorizadas nos feeds, como será falado mais adiante.

No entanto, para os que desejam fazer transmissões de eventos, o YouTube permite até 12 horas de ao vivo. Além disso, possibilita a monetização da transmissão e a adição de links em tempo real para o público acessar. Ainda conta com ferramentas para agendamento da transmissão e avançada coleta de dados, como a localização dos usuários.

No período de quarentena,  segundo os dados do YouTube , as buscas por conteúdo ao vivo cresceram 4.900% no Brasil.  Mas essa não é uma tendência apenas por aqui. De acordo com a consultoria americana Tubular Labs, houve um crescimento de 19% nas transmissões ao vivo pelo YouTube no fim de março, ou seja, 3,5 bilhões de minutos de conteúdo por dia.

Instagram

Transmissão ao vivo: Instagram

O Instagram já tem a vantagem de ser uma rede social muito popular, aliada ao fato de que as lives ficam acessíveis pelos stories, que é a sessão mais utilizada pelos usuários diariamente.

A rede social ainda possibilita fazer a divisão de telas durante a live. Dessa forma, duas pessoas que estão em locais distintos podem falar durante a transmissão.

As desvantagens de usar esse recurso no Instagram é que a sua coleta de dados é limitada (só contabiliza quantas e quais pessoas assistiram). Outro ponto negativo é que a live pode ter duração máxima de 1 hora e não existe a possibilidade de salvá-la diretamente no perfil. Ou seja, é preciso baixar para o smartphone, caso deseje postar no feed posteriormente.

Mas, se o seu público já é cativo nessa rede social, o Instagram pode ser a sua escolha. Além disso, no atual momento de pandemia do Novo Coronavírus a rede social liberou o recurso de assistir as lives pelo computador, antes só possível nos smartphones. Mas, vale destacar que o momento é de grande concorrência, já que houve um aumento de 70% nas transmissões ao vivo na plataforma só no mês de março de 2020. Acompanhando esse crescimento, o engajamento do público também cresceu em 50%. Os dados são do próprio Instagram.

Então, para usar o Instagram em suas estratégias de marketing digital faça uma sólida divulgação. Você pode saber mais sobre isso, e o passo a passo para uma transmissão, no artigo: Como fazer live no Instagram?

Facebook

Transmissão ao vivo: Facebook

Já a live feita pelo Facebook é ideal para fazer a transmissão de palestras, eventos ou aulas. Com a possibilidade de tirar dúvidas e responder perguntas dos usuários que estão assistindo a transmissão. Além da interação, comum as outras plataformas, a rede social possibilita fazer a segmentação de audiência. Ou seja, direciona a live para um nicho específico dos seus seguidores.

Outra vantagem da transmissão nesta rede social é o envio de notificação para os seguidores de que o ao vivo vai começar. E ainda, o alcance orgânico desse tipo de conteúdo é priorizado pela plataforma, com isso é possível impactar mais usuários.

Para as estratégias de marketing, o Facebook possibilita a análise de dados com informações sobre o pico da audiência, alcance, engajamento, tempo médio que o vídeo foi assistido, entre outras coisas.

Depois de acabada, a gravação fica disponível na página para que outros usuários tenham acesso a ela. Por último, outra grande vantagem é a possibilidade de realizar uma transmissão ao vivo tanto pelo celular, quanto pelo computador.

Twitter

O Twitter é a rede social do agora. Por isso, a live combina bastante com ela. O recurso na plataforma é feito pelo Periscope, e pode ser veiculada também em outros locais. As lives podem ser achadas de forma fácil por meio de hashtags. E, assim como as outras redes sociais, possibilita a interação dos usuários em tempo real. O ponto que o Twitter não tem a seu favor é a coleta e análise de dados, que ainda são bastante limitadas.

Relevância das transmissões ao vivo

São muitos os recursos trazidos pelas plataformas para fazer as lives. Mas, por que fazê-las? O que dizer no ao vivo? Enquanto estratégia de marketing digital, as lives podem ser o conteúdo para fazer a divulgação de um webinar, cursos, informações de interesse dos seus seguidores e até mesmo para produzir um material descontraído, como mostrar a rotina da sua organização.

Durante a quarentena muitas empresas lançam mão da tecnologia para continuar o funcionamento, mesmo com os espaços físicos fechados. Exemplo disso é a estratégia da Twenty Four Seven, na qual as vendedoras mostram no ao vivo diferentes looks com suas peças para fomentar a compra online.

O ao vivo aproxima, com ele você consegue interação, empatia e humaniza o seu negócio! Além disso, em tempos de coronavírus é o mais próximos que podemos estar dos nossos clientes. Então se dedique a aprender sobre esse universo e experimentar coisas novas para ultrapassar essa crise e estabelecer novas conexões com o seu público.

Agora, para escolher a melhor plataforma para fazer suas lives vai depender dos seus objetivos. Quem já tem um canal no YouTube consolidado, por exemplo, pode ser interessante produzir as lives por lá, ou os que têm grande público no Twitter, podem optar por essa plataforma. Você pode escolher a rede social que agregue mais fatores relevantes para  sua estratégia, também em termos de análise de informações.

O público consumidor de vídeos nas redes sociais cresce a cada dia. Por que não aproveitar esse campo de forma estratégica para a sua marca?

Vire o Jogo: Inciativa para ajudar empresas em tempos de COVID-19

Gostou do artigo? Leia mais sobre gerenciamento de redes sociaisgestão de Google AdsInbound Marketing e outros assuntos de marketing digital no blog da E-Dialog.

Letícia Fernandes, Produtora de Conteúdo na E-Dialog

Texto escrito por Letícia Fernandes, Analista de Marketing Digital na E-Dialog

Jornalista, apaixonada por viagens, livros, filmes de romance e cachorro-quente!