(11) 2391-2275 - (21) 2391-7727 - (31) 2595-0730 - (32) 3026-2640 - Whatsapp: (11) 97352-2675 digital@edialog.com.br
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie)
Loading...

Desde a última semana de fevereiro, o Facebook deu mais um passo em direção à igualdade de gêneros. A mudança, que já estava à disposição de usuários americanos, canadenses, britânicos e de vários outros países, chegou ao Brasil. Com isso, a segmentação de anúncios no Facebook pode ficar ainda mais específica e a publicidade pode voltar seus olhos para esses públicos também.

Mudanças

Desde fevereiro de 2014, usuários que entrassem no Facebook (em língua inglesa) ou procurassem editar sua identidade de gênero, perceberiam que não estavam mais presos ao “homem” ou “mulher”, as únicas opções disponíveis até então. A rede social listou 58 opções como “andrógino”, “homem trans”, “mulher trans” e “intersexual”. Um tempo depois, uma 59ª opção foi incluída. Um campo em branco, para que a própria pessoa se descreva do jeito que ela quiser.

Além de "homem" e "mulher". Facebook adiciona opções para usuários definirem identidade de gênero.

Além de “homem” e “mulher”. Facebook adiciona opções para usuários definirem identidade de gênero.

 

Usuários podem escolher até os pronomes usados pela rede social

Usuários podem escolher até os pronomes usados pela rede social

Inicialmente disponível nos Estados Unidos, as opções já podiam ser aproveitas na Alemanha, Argentina, Austrália, Canadá, Dinamarca, Espanha, França, Itália e Reino Unido. No final de fevereiro deste ano, usuários brasileiros também tiveram acesso permitido à mudança.

É importante perceber que as mudanças referem-se apenas à identidade de gênero, e não à orientação sexual.

O que isso pode significar para o marketing digital?

Em um futuro próximo, a segmentação de anúncios pode ser ainda mais específica para esses públicos. Hoje, quando vamos patrocinar um post no Facebook, criar uma campanha ou promover a página, podemos segmentar os públicos entre as únicas opções que eram possíveis: homem e mulher.

Com a mudança e a introdução de dezenas de opções de identidades de gênero, marcas poderão tentar atingir seu público-alvo com precisão ainda maior, transformando sua comunicação e marketing mais precisos e eficazes com uma segmentação de anúncios otimizada.

Um enorme passo rumo ao reconhecimento das identidades de gênero também pode significar uma grande oportunidade de evolução para o marketing digital. São marcas falando cada vez mais exclusivamente com seus públicos-alvo.

Soa como uma chance de melhoria? O que acham?

Fonte: Olhar Digital

Leia mais no blog da E-Dialog:

Estimativa de valor do Instagram é 33 vezes maior do que há três anos

2015: o ano dos vídeos no Facebook [infográfico]

Twitter fecha acordo para tweets aparecerem em buscas no Google