(11) 2391-2275 - (21) 2391-7727 - (31) 2595-0730 - (32) 3026-2640 - Whatsapp: (11) 97352-2675 digital@edialog.com.br
1 vote, average: 2,00 out of 51 vote, average: 2,00 out of 51 vote, average: 2,00 out of 51 vote, average: 2,00 out of 51 vote, average: 2,00 out of 5 (1 votos, média: 2,00 de 5, avaliações)
Loading...

O Facebook tornou-se uma febre no Brasil a partir de 2011, logo depois da moda do falecido Orkut. Desde o seu surgimento, a rede social de Zuckerberg já enfrentou uma série de polêmicas. Inclusive, a mais recente com o CEO tendo que se explicar sobre questões da privacidade de dados dos usuários na Câmara dos Deputados dos EUA. Outro ponto que tem gerado alguns debates em torno da rede é o fato de que ele anda um pouco abandonada pelos usuários mais novos. Alguns já até afirmam que o Facebook vai acabar. Será?

De acordo com dados da Edison Research, a presença dos jovens na rede social está em declínio em todo o mundo. Em 2017, 79% dos usuários entre 12 e 34 anos usava o Facebook. Atualmente os números caíram para 62%. Enquanto isso, pessoas com mais de 55 anos que usam o Facebook cresceu de 49% para 53%, entre 2017 e 2019.

Não existem informações concretas sobre o motivos dos jovens estarem abandonando a rede social. As questões relativas à privacidade da rede que foram muito faladas em 2018 podem ter alguma relação com essa evasão. Ou até mesmo a migração para outras redes sociais, como o Instagram, possa ser a causa.

Apesar do declínio, os jovens e adultos entre 18 e 34 anos são os maiores usuários da rede social. Os dados são da pesquisa “2018 Global Digital” feita pelos We Are Social and Hootsuite.

Dados sobre uso do facebook

A quebra de sigilo

O caso em 2018 sobre o vazamento de dados rede social foi algo que impactou, não apenas nas eleições presidenciais mundo a fora, mas também a imagem da rede social. Nos EUA, mais de 50 milhões de pessoas tiveram o sigilo de suas informações quebrados. Os dados foram usados por uma marca para privilegiar a campanha eleitoral do agora presidente, Donald Trump. Com isso, em apenas uma semana, a marca perdeu US$58 bilhões em valor de mercado.

Em relação ao escândalo, o CEO da marca, Mark  Zuckerberg se pronunciou. O CEO declarou na própria rede que para 2019 essas questões serão revistas e modificações serão colocadas em prática. A inspiração vem da rede social utilizada na China, o WeChat. Nele são reunidos todos os aspectos da vida do país em um único lugar. Já que pagamentos, comprar de mercado e tantas outras operação da rotina das pessoas estão concentradas na rede social. A tendência agora, portanto, é não mais expor todos os passos da rotina na rede. Mas, ter um espaço com privacidade e segurança para executar as tarefas do dia a dia.

Perfil Facebook Zuckerberg

Facebook para empresas

Com todas as polêmicas e números que aqui levantamos, você deve estar se perguntando: “Ainda vale a pena se posicionar na rede social enquanto empresa e investir em anúncios?”.

A produção de conteúdo de qualidade não perde espaço na rede social. E os usuários continuam usando a rede para se informar e se relacionar com as marcas que gostam. O que é determinante é a forma como a marca se posiciona e as estratégias que utiliza para conversar com o seu público. Além disso, através do Gerenciador de Anúncios, é possível segmentar o público da sua marca e aparecer para quem realmente importa.

A força da marca Facebook

Apesar da crise enfrentada no ano passado, a rede social que também é dona do WhatsApp e Instagram, registrou novo recorde em receitas anuais de US$ 50 bilhões em 2018.

A verdade é que o Facebook continua crescendo. Inclusive, agora passa até os jogos de futebol com serviço de streaming pelo Facebook Watch. Dessa forma, traz novas experiência para o usuário e incremento na sua receita já bilionária. Para surpresa de muitos, a rede social continua sendo a mais acessada no mundo, como mostra a pesquisa “2018 Global Digital” feita pelos We Are Social and Hootsuite.

Você também pode querer ler: Tendências de Marketing Digital para 2019

Redes Sociais mais usadas

A partir desses dados é difícil acreditar que uma marca tão forte e lucrativa irá se desfazer. O que podemos afirmar é que a rede social certamente está se reinventando, mas no mundo online, quem não está fazendo isso o tempo todo perde dinheiro e relevância.

Fontes:

We Are Social, Edison Research, Forbes e BBC.

Foto da autora

Texto escrito por Letícia Fernandes, Produtora de Conteúdo na E-Dialog

Estudante de Jornalismo da UFJF. É apaixonada por viagens, livros, filmes de romance e cachorro quente!