(11) 2391-2275 - (21) 2391-7727 - (31) 2595-0730 - (32) 3026-2640 - Whatsapp: (11) 97352-2675 digital@edialog.com.br
1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Avalie)
Loading...

No dia após a morte de Steve Jobs, o Tiago Gouvea me deu a dica de comparar os dados da morte de Jobs com os de Amy Winehouse e Michael Jackson. Nos últimos 2 anos, essas foram as mortes que mais repercutiram na Internet.
Numa pesquisa simples, utilizei os dados fornecidos pelo Google para comparar as que tiveram maior repercussão (apenas pesquisas em português). Cabe ressaltar que a web brasileira em 2009, na morte de Michael Jackson, tinha número inferior de usuários (naquela época não existia nem o iPad, de Jobs).
Destaco também que Amy Winehouse faleceu num sábado, Jackson numa quinta-feira e Jobs numa quarta-feira. Sábado e domingo são, historicamente, dias de menor volume na web. Já quarta e quinta estão entre os dias de maior “importância”.
Utilizei os dados de pesquisa Google e também do Google Insights, que traz a repercussão de determinadas palavras-chave por tempo, região, abrangência, etc (determinei um período de 2 anos anterior a morte de MJ e dois anos posteriores como base).

Apesar de ainda ser cedo para dar números definitivos, já podemos perceber que, mesmo com um número bem inferior aos demais em pesquisas relacionadas ao nome, a morte de Steve Jobs já alcança uma repercussão próxima da de Michael Jackson (que, de acordo com o Google, tinha mais que o dobro de popularidade de Jobs).
Outro ponto relevante é comparar a linha de repercussão das palavras-chave no Insights entre o dia da morte e o restante do tempo. Amy Winehouse é a expressão que apresentou maior “regularidade” e Michael Jackson ainda alcançou outros picos após morte (possivelmente fruto de situações como revelação da autópsia, em meados de 2010, e julgamento do caso).
Como ponto final, gostaria de ressaltar que, como mostram os dados de Amy e, principalmente, Jackson, há sim “muita vida” na Internet após a morte. Na média, Jackson é foi mais citado nos dois anos posteriores a sua morte do que nos dois anos anteriores. Óbvio que o aumento do acesso a Internet contribuiu (e muito) mas é um fato que merece ser observado de perto nos próximos anos.
Para saber mais dados sobre, recomendo:
#RIPSteveJobs – fenômeno nas redes sociais
A morte de Amy Winehouse na Internet