fbpx

O crescimento no uso da pesquisa por voz é uma realidade. Neste artigo, iremos detalhar as razões para isso e iremos dar dicas de SEO para garantir bons resultados nesse tipo de busca dos usuários. Confira:

Por que a pesquisa por voz está crescendo?

O comportamento dos usuários com a tecnologia se transforma a cada novidade dentro do mercado. 

Se antes tínhamos que abrir e-mails para nos comunicarmos com colegas e parentes, resultando em uma comunicação especialmente desenhada para esse meio, hoje, com o avanço das redes sociais, conexões de internet mais ágeis e uma pluralidade de plataformas, a maneira como usamos as plataformas de e-mail são completamente distintas.

No caso dos métodos de busca na internet, o comportamento dos usuários é ditado pelas ferramentas disponíveis (smartphones e computadores mais avançados) e pelos softwares (serviços de busca, uso de IA, softwares de reconhecimento de voz, algoritmos etc.)

Entenda abaixo como a pesquisa por voz vem crescendo através de algumas tendências observadas por dados.

Pesquisa por voz é mais rápida e fácil

Não é preciso se esforçar muito para justificar este aspecto. Basta comparar a quantidade de palavras por segundo ao digitar e ao falar. 

Indo além, é possível pensar no comportamento do usuário. Pegar o celular, abrir a plataforma de busca e digitar leva uma determinada quantidade de tempo que, especialmente para públicos menos confortáveis com a tecnologia (normalmente demográficos mais velhos), pode chegar a minutos. 

No caso da pesquisa de voz, é o tempo de uma sentença.

A Statisa possui um relatório específico que fala sobre as razões para usar pesquisa de voz e 43% das respostas indicam velocidade e facilidade.

Pesquisa por voz é mais conveniente e apropriado

pesquisa por voz

Falar é mais fácil e conveniente que escrever, essa é uma das razões para softwares de voz estarem tão elaborados.

Em um mundo com a percepção de tempo cada vez mais acelerada, digitar já nos parece contraprodutivo. Se, para encontrar uma resposta, dependemos apenas de uma única pergunta, seguir o caminho mais fácil vai ser a escolha da maioria das pessoas. 

É por isso que muitas pesquisas por voz ainda estão associadas a fatos e informações muito diretas. “Qual a altura”, “Quantos anos”, “Qual a fortuna”, “Como chegar”, “O que fazer”, tudo isso indica um comportamento de busca voltado para uma solução imediata. 

Os efeitos disso em SEO serão descritos nas nossas dicas, mas ainda sobre as tendências de busca por voz, a Perficient tem um agregado interessante sobre o tema.

Pesquisa por voz é compatível com mobile

Se você precisar escolher uma única razão para tendências de comportamento ligadas à tecnologia alavancarem no futuro, pode sempre focar em mobile.

Estamos cada vez mais conectados e envolvidos pelos smartphones, smartwatches, IoT, assistentes pessoais virtuais etc. E é o mobile que puxa essa frente de desenvolvimento.

De acordo com a BrightLocal, 56% das buscas por voz são feitas em smartphones. E, de acordo com a Perficient, 63% das visitas a websites em 2020 foram em dispositivos móveis.

Mais do que nunca, os sites precisam ser responsivos em smartphones.

Como as pesquisas por voz se diferenciam das pesquisas tradicionais

A maneira como os usuários digitam uma busca e como falam influencia no tipo de palavra-chave que melhor ranqueia para cada caso. Mas essa não é a única diferença, confira:

Palavras-chave de pesquisa por voz são mais longas e “conversativas”

Com o avanço dos assistentes pessoais nas casas, o tipo de palavra-chave para ranqueamento por voz ficará cada vez mais elaborado.

Ainda pensando na otimização de tempo na busca, vale lembrar que palavras-chave digitadas tendem a ter até 5 palavras, com média de 3 palavras por busca apenas, sem necessidade de coesão entre elas. 

Exemplo: receita pudim de chocolate, receita pudim, pudim de chocolate caseiro.

O Google (como principal plataforma de busca) possui um algoritmo que entende para onde esse tipo de busca deve levar. 

Contudo, quando usamos um assistente pessoal virtual, normalmente perguntamos: “Okay, como fazer um pudim caseiro em casa?”

O tamanho da sentença e a maneira como nos dirigimos ao aplicativo muda, ainda mais com os assistentes virtuais possuindo nomes, o que leva a uma personificação do objeto.

Buscas de listas locais são prioritárias para voz

A grande maioria das pesquisas por voz incluem um “perto”, “próximo” ou com nome da cidade ou região. 

Isso confirma dois comportamentos:

  1. As pessoas usam pesquisa por voz para encontrar locais para visitar, hotéis, restaurantes e outros serviços;
  2. As pessoas precisam não apenas da informação de localização, mas também querem saber mais sobre horário de atendimento e detalhes dos estabelecimentos.

O Google ainda observou que, de 2016 a 2018, tiveram crescimento de:

  • 150% em pesquisas mobile para “próximos de mim agora” como em, por exemplo: “restaurantes próximos de mim agora”;
  • 900% em pesquisas mobile com “próximo de mim hoje/nesta noite”, como em: “hotéis baratos próximos de mim hoje” 
  • 200% de crescimento em pesquisas mobile para “Aberto” + “Agora”+ “perto de mim”, como em: “restaurantes perto de mim abertos agora”.

Resultados de pesquisas por voz são objetivos

Os resultados das pesquisas por voz normalmente são tirados dos snippets obtidos em uma pesquisa tradicional por texto. O algoritmo do Google usa bastante os gráficos e snippets bem feitos para responder perguntas por voz.

Os usuários de pesquisa por voz querem respostas rápidas e imediatas, e o Google entende isso. Essas respostas diretas são lidas para o usuário, levando a um resultado instantâneo. 

No relatório da Perficiente citado anteriormente sobre o uso de dispositivos móveis versus desktop, há um aspecto relevante a ser observado. O tempo de página em cada um é completamente diferente. 

Dispositivos móveis exigem resultados muito mais ágeis, normalmente as buscas por desktop são mais longas e profundas, o que corrobora novamente o aspecto instantâneo da busca por voz.

Como otimizar o site para pesquisa por voz

Tendo levado os argumentos acima em consideração, vem a pergunta: como otimizar sites e blogs para aparecerem em pesquisas por voz? As dicas abaixo podem ajudar.

Entenda a intenção de usuário na pesquisa por voz

É fundamental entender a intenção do usuário ao estruturar o site e realizar o copywriting. Uma das melhores maneiras de fazer isso é responder às perguntas preventivamente.

Isso pode parecer simples demais, mas garante que as informações mais importantes sobre seu estabelecimento, como horário de funcionamento e endereço estejam disponíveis.

O Google é uma ferramenta incrivelmente sofisticada, mas quanto mais você facilitar a tarefa dos agregadores (algoritmos chamados spiders), mais fácil será aparecer nas buscas.

Outro ponto importante é não esconder informações nas imagens. Por mais que os “spiders” sejam capazes de ler imagens, o ideal é que todas as informações estejam disponíveis em HTML ou no atributo ALT da imagem. 

Depois de pensar nos aspectos básicos, leve em consideração o tipo de pergunta que os usuários podem querer saber sobre o seu empreendimento. Quais são os diferenciais do seu produto? Como as pessoas podem querer descobrir isso na internet? Como usar o produto ou serviço? Qual sua Proposta Única de Valor? Ela está clara no site? 

Entender tudo isso e saber dispor as informações no site será de grande valor para para o SEO.

Otimize para plataformas de busca específicas

Ainda não vale otimizar exclusivamente para plataformas de busca paralelas, mas no futuro isso pode ser uma boa opção.

Muitas pessoas podem considerar que otimizar para plataformas que não sejam o Google é perda de tempo. Contudo, apenas para contextualizar, a Siri, assistente pessoal da Apple, usa o Bing (plataforma de busca da Microsoft) como plataforma de busca primária.

Ou seja, se o seu objetivo é otimizar e aparecer nas buscas da Siri, por conta do comportamento da sua persona, talvez seja melhor focar nos métodos de ranqueamento para o Bing.

Porém, pensar de maneira tão personalizada pode cortar muitos resultados. Mesmo que seja o smartphone mais popular nos EUA, maior público-alvo da empresa, o uso de iOS corresponde a apenas 31,3% mercado total do país.

Pensar em uma estratégia similar para o Brasil, levando em consideração as diferenças no consumo dos cidadãos, é um tiro no pé. 

Ainda mais quando entendemos que as nuances em SEO no Google, Bing, Baidu e outros mais não devem impactar tanto na maneira como os resultados são exibidos.

Até por isso este artigo todo é desenhado pensando em SEO para Google – os resultados valem de maneira mais abrangente, ainda que não usássemos o nome da plataforma.

Use metadados Schema

Os metadados Schema são muito usados por donos de site para oferecer informações adicionais às plataformas de busca. Eles são, resumidamente, dados sobre dados, e informam sobre o que cada conteúdo no seu site se refere. 

Isso torna o trabalho dos “spiders” do Google mais fácil – e quanto mais fácil for para o Google, maiores as chances de ranqueamento. 

De acordo com uma pesquisa da Milestone Marketing baseada em 9400 usos de schema, eles viram crescimentos aproximados de 20 a 30% no volume de acessos com uma média de 40 schemas e 130 atributos e propriedades aplicados. 

Foque e aposte em palavras-chave de cauda longa

Um dos melhores investimentos se o seu objetivo é o ranqueamento para pesquisas por voz está nas palavras-chave de cauda longa. 

Essas palavras-chave normalmente levam à criação de blogposts mais específicos e detalhados, mas a grande vantagem está no fato de que a maioria dos sites e copywriters ignoram essas palavras para focarem em termos mais curtos e competitivos. 

Além disso, apesar de serem mais longas e terem menos buscas individuais, palavras-chave de cauda longa correspondem a 70% de todas as buscas. Ou seja, são menos competitivas mas não menos importantes. 

Palavras-chave de cauda longa também trazem outro benefício no caso de pesquisas tradicionais: oferecem CTRs mais baratos e muito mais qualificados. 

Por exemplo: se você possui uma empresa que vende detergentes e está escrevendo um blog, um dos títulos (ou subtítulos) pode ser “como usar detergente para apagar manchas de caneta na parede”. 

Apesar de muito mais longo, ele é específico para uma dor clara e a maneira como é formulado se encaixa no padrão de comportamento para pesquisas por voz. 

Atualize seu Google My Business

Quanto mais atualizadas as informações no seu Google My Business, mais útil e relevante será seu site para clientes em potencial. Especialmente para os que realizam as buscas de “perto de mim/locais próximos”.

Mesmo informações como a disponibilidade de vagas de estacionamento pode ser persuasiva, então trate de adicionar tudo da maneira mais completa e compreensível possível. 

Não esqueça, por último, de imagens de boa qualidade e com descrições adequadas.

Otimize campanhas de anúncio para buscas “perto de mim”

Caso esteja criando campanhas de mídia paga focadas em resultados locais usando Google Ads, existem alguns passos dentro da plataforma de gerenciamento que podem maximizar sua visibilidade nos resultados que valorizam buscas “perto de mim”, seja em pesquisas de voz ou tradicionais. 

Crie páginas que respondam perguntas

Essa dica é um complemento da dica de palavras-chave de cauda longa, mas vale um espaço reservado para o tema. 

Quando usuários fazem pesquisas por voz, normalmente começam com “Quem”, “O que”, “Onde”, “Quando”, “Por que” e “Como”.

Essas são as perguntas que precisam de respostas imediatas. Para isso, faça páginas de FAQ com esses termos (ou blogposts) e responda às perguntas da maneira mais direta possível. Isso aumenta as chances de um snippet e, consequentemente, de aparecer nos resultados das pesquisas por voz. 

Um exemplo pode ser visto abaixo:

Essa pesquisa foi feita por voz e, além de oferecer o resultado, o Google referenciou a fonte da resposta (o site Conexão Paris).

Conclusão

Pesquisas por voz podem aumentar muito os resultados orgânicos. Contudo, dependem de um bom estudo de palavras-chave e de um entendimento do comportamento dos usuários.

Também é importante que Schemas sejam usados e as integrações com outras plataformas e serviços do Google não sejam esquecidos. 

Para mais dicas e informações sobre Marketing Digital, acesse nosso blog.